sábado, 5 de janeiro de 2013

A democracia e o ancien régime

A atitude do Presidente da República ao remeter o Orçamento ao Tribunal Constitucional, é incompatível com a Ordem Democrática fundante da República Portuguesa.

O que distingue a governação democrática da governação aristocrática é que na democracia a governação é exercida de acordo com a vontade do povo, que se presume saber cuidar do seu interesse, enquanto no sistema aristocrático se governa no interesse do povo, que se presume não saber cuidar do seu interesse, mesmo contra a sua vontade. No sistema democrático o interesse do povo coincide com a sua vontade e é expresso pelos parlamentos eleitos diretamente pelos povos. No sistema aristocrático, o interesse do povo é apurado e definido por um soberano ou por um órgão ou um coletivo de pessoas tidas como mais sábias.

Os parlamentos, na sua identidade atual, têm origem nas revoluções americana e francesa e foram criados com a função primeira de representar a vontade e definir o interesse dos povos na distribuição dos encargos do Estado sobre os cidadãos (impostos, taxas e encargos análogos) e na determinação das despesas públicas. Logo em seguida vem a definição dos tipos de crimes e das penas, mas a principal foi a representação dos povos na definição da receita e despesa pública.

Os sistemas não democráticos postulam a incapacidade dos povos para estas funções, pela sua ignorância e ganância (e outras deficiências) e substituem-lhes o governo dos mais sábios, protagonizados por órgãos não eletivos ou mesmo por indivíduos (reis absolutos ou líderes autocráticos).

O recurso ao Tribunal Constitucional para bloquear a Lei do Orçamento Geral do Estado corresponde à transposição da fronteira da democracia. O recurso ao Tribunal Constitucional para bloquear o Parlamento nesta matéria é incompatível com os fundamentos da Ordem Democrática.

4 comentários:

  1. É triste mas esta é a verdade. Todos temos uma parcela de culpa pois demos créditos de confiança a quem revelou não ser merecedor. E não foi só um, foram muitos. Fomos enganados e desacreditados. A democracia está quase prestes a ser "embalsamada"! Meg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo. Sai-nos sempre a escolha errada...

      Eliminar

  2. Pergunto: para que serve o Presidente da República? Não seria melhor termos um sistema político em que o Presidente também tivesse as funções de Primeiro Ministro? Evitavm-se situações como esta que vivemos agora.

    ResponderEliminar
  3. O Presidente da República deveria servir para evitar este tipo de colisões de competências do vários órgãos de soberania, em vez de ser ele próprio a criá-los.

    ResponderEliminar

Os comentários publicados são da responsabilidade de Commonsense, pelo que não serão publicados ou serão apagados os que forem insultuosos, ofensivos ou de baixo nível.